@c

People
Performances

latest releases:

2016 Three-Body Problem
2014 Re:Barsento
2014 Ab OVO
2013 Half-Life, Still Life
2012 Re:Fujaco
2011 Homem Fantasma
2010 0°-100°
2008 Up, Down, Charm, Strange, Top, Bottom
All releases

installations:

A/B
6 Elementos
Becoming-
LMY-7-10
Divisor / 4
Respiro (2)
Respiro (1)
M.M.M.M.
Noventa e Três (para Colönia)
30x1
30x1.2

videos:

1606 T-BP Video Program
1605 Cage 116
1603 Transcendence 115
1504 Alteration 109
1411 Fórum do Futuro
1110 Transition 89
1006 Machination 84
0808 Construction 76
0805 Offf
0804 EMAF
0709 Ars Electronica
0705 Barcelos
0611 Study 40
0610 EME
0606 SonicScope
0510 int.16/45//son01/30x1
0509 EME
0404 v3
0301 hardVideo

photos:

1703 Lâminas
1606 Press photos
1605 SMUP
1512 La Escucha Errante
1511 Intermediale Festival
1410 Semibreve
1003 Press photos
0911 Press photos
0910 Perugia
0906 Sonica:Post
0804 EMAF
0803 Template
0803 Netwerk
0802 Press photos
0712 Natal dos Experimentais
0709 Ars Electronica
0709 Ars Electronica
0709 Beck's Fusion Pod
0709 Beck's Fusion
0705 Barcelos
0703 Pixelache
0702 CdM
0611 Algo-Ritmos
0609 PTM#2
0601 Netmage 6
0512 Madeira DIG
0511 Imagens Projectadas
0509 Stephan Mathieu + Naja Orchestra
0503 Zemos98_7
0505 Hip Chips @ U.Católica
0505 Hip Chips @ ZDB
0504 deTour
0502 Penthouse
0412 Metro
0411 Tel Aviv
0410 + Pure, Vitor Joaquim
0407 FICMVC
0407 + Joe Giardullo, VJ
0404 v3 comp
0404 v3 live
0311 Atlantic Waves
0310 + forçasamadas
0302 Sonic Light
0111 Número Festival
0110 Frágil
0010 Co-Lab
0006 Serralves
0004 Screensaver

Info Sheet EN / PT (PDF)
Tech Rider @c / @c + Lia
@c in facebook



30x1.0 / bits /

frameframeframeframeframeframe

txt > bits > 30x1.0 at solar / 2 / 3 / 4 > frames / 2

Digital Ontology; at a given moment a relation of parity is established between the sound elements and the visual elements that compose this piece. Independently of their origin, at a given moment, the base code of both elements’ representation is the same, identical, undifferentiated, and infinitely accessible and scrutinizable. In that moment, that place, those elements are information, closely related and parameterized, in continuous dialogue, emerging as an audiovisual unit, points of light and sound exquisitely intertwined, sharing the same digital ontology.

Audioimage; here we speak of a possibility, something that will happen outside of the screen, even outside of the physical space where the piece is set, something external to the very elements that compose it, something that when happening, will do so in the mental space of whoever is perceiving. This phenomenon of audiovisual synthesis, this indissociable entity that gains substance in the audioimage is thus found to be a purely mental construct.

30x1; audiovisual composition, spatial, temporal, evolutional and mutant, built from audiovisual blocks with the fixed duration of 1 minute (1.500 PAL video frames, 2.646.000 PCM audio frames at 44.1 KHz / 16 bit), organized in 5 series, 1, 2, 3, and 4, plus one, 0, of introduction and conclusion, and randomly reproduced by 15 DVD players in 15 screens.

The Audio-Vision and Visual-Audition; what is driving what in this piece? Is sound strengthening the image? Is image empowering sound? In most of the “audio-visible” circumstances, the image builds the conscientious nucleus of attention and sound constantly brings along a series of effects, feelings and significances that through a phenomenon of projection are attributable to the image and seem to “naturally” stem from it. On the other hand, the definition of visual-audition is proposed in circumstances where the perception is consciously focused over the audible and upon which the visual context applies a deep influence, empowering or deforming its perception. It is clear that reality proposes an infinitely vast array of combinations in the space between these two forms of perception, where the primacy of one or the other sense oscillates indefinitely. This piece seems to search to establish an objective balance between the elements, perhaps fed by the idea that the perception of a moment where sound and image somehow relate towards the creation of meaning is far from being split among both, always prevailing the mutual influence and a chain of significances that successively seem to emanate from their amalgamation.

Synchresis; synchronism and synthesis, a spontaneous psychophysiological phenomenon dependent from our nervous and muscular connections. Widely explored in this piece, admirably in the constellations of small scintillating squares, it consists on perceiving the combination of single auditory and visual events in the instant when both are simultaneously produced as a single event. The phenomenon, literally uncontrollable, leads to the instantaneous building of a close relationship of interdependence between sounds and images, referring both to a common origin, regardless of their individual sources, of their shapes and their origins or nature, individual and specific. Pure geometric shapes are constellations, torrents, eruptions, matter, movement, speed, thrust, organic sounds and synthetic sounds. Organic sounds and synthetic sounds are pure geometric shapes in motion, speed, thrust, constellations, torrents, eruptions and vibration.

Michel Chion; audioimage, audiovision and visual-audition, synchresis, extension and temporalization are ideas proposed by the French theoretician, professor, composer and director Michel Chion, in a series of works that culminate in the book L’audio-vision (1990) in which he unpretentiously (in the words of Claudia Gorbman) suggests new ways of thinking about the structures and effects of the audiovisual experience.

The Extension; the “audiovisual condition” as a result from the combined sounds and images does not presuppose, a posteriori, their differentiated perception. Sounds and images, when combined, are perceived as space-time organization, as matter and meaning. The audiovisual combine as “cause” produces a determined number of “effects” that are generated by sounds and images in an audiovisual context and therefore, effects of audiovisual inception. The Extension is an audiovisual effect that is related with the construction of space through the combination of sounds and images. It usually defines a concrete space from which the extension operates, having a restrictive nature when only the sounds produced at that specific space are heard, or a broader nature as more and more sounds from adjacent spaces are included, and broader still when the sounds from spaces further away or even distant sounds are brought together. The spatial extension of the viewer’s field, the introduction of the super-field operated by the auditive contexture strategically operated in the spatial complexity is affirmed in this piece as a fundamental element for the construction of its aesthetic experience.

Temporalization and points of Synchronization; the way the sound/image connection models are established and the distribution of the so called points of synchronization are important elements for the “temporalization” of the images and, obviously, to visually underline the temporal character of the sounds. The activation of an image depends on the way in which the sound introduces points of synchrony and the way that the management of expectations from the spectators in relation to the situations where the synchrony is verified is developed. A synch point is a “salient” moment in an audiovisual sequence, the moment during which a sound event and a visual event are joined in synchrony. These moments of meaningful encounter, between sound and image, are a pledge of the relative autonomy of the flow of images and sounds, which run parallel to the audiovisual space-time. The control of that flow, of its encounters, dis-encounters and overlays build the pungent nature of 30x1, a conjunction of moments of contemplative pure abstraction with points of a cutting materiality that place the viewer in a constant state of afterimage. / João Cruz

frameframeframeframeframeframe

Ontologia Digital; num determinado momento é estabelecida uma relação de paridade entre os elementos sonoros e os elementos visuais que compõem esta peça. Independentemente da sua origem, num determinado momento, o código base de representação destes dois elementos é o mesmo, idêntico, indiferenciado, infinitamente acessível e perscrutável. Nesse momento, nesse lugar, esses elementos são informação, estreitamente relacionada e parametrizada, em diálogo continuo, emergindo como unidade audiovisual, pontos de luz e som finamente entretecidos, partilhando uma mesma ontologia digital.

A Audioimagem; aqui falamos de uma possibilidade, algo que terá lugar fora do ecrã, fora do próprio espaço físico onde a peça está instalada, algo exterior aos próprios elementos que a compõem, algo que a acontecer, o fará no espaço mental de quem percepciona. Esse fenómeno de síntese audiovisual, essa entidade indissociável que se consubstancia na audioimagem, constitui-se desta forma como uma construção puramente mental.

30x1; composição audiovisual, espacial, temporal, evolutiva e mutante, constituída por blocos audiovisuais com a duração fixa de 1 minuto (1.500 frames de vídeo PAL, 2.646.000 frames de áudio PCM a 44.1 KHz / 16 bit), organizados em 5 séries, 1, 2, 3, e 4, mais uma, 0, de introdução e conclusão, e reproduzidos aleatoriamente por 15 leitores de DVD em 15 ecrãs.

A Audiovisão e a Visuaudição; o que é que está a potenciar o quê nesta peça? O som potencia a imagem? A imagem potencia o som? Na generalidade das situações 'audiovisivas', a imagem constitui o núcleo consciente da atenção e o som traz a todo o momento uma série de efeitos, sensações e significados que, mediante um fenómeno de projecção, se atribuem à imagem e parecem de forma 'natural' derivar dela. Por outro lado, a definição de visuaudição é proposta para situações onde o tipo de percepção se concentra de forma consciente sobre o audível e sob o qual o contexto visual exerce uma profunda influência, reforçando ou deformando a sua percepção. Obviamente, a realidade propõe uma combinação infinita no espaço definido entre estas duas formas de percepção onde a primazia de um ou outro sentido oscila indefinidamente. Esta peça parece procurar estabelecer uma relação de equilíbrio objectivo entre os elementos, porventura alimentada pela noção de que a percepção de um momento onde som e imagem de alguma forma se relacionam para criar sentido, está longe de ser compartimentada, antes prevalecendo a influência mútua e uma cadeia de significados que de forma sucessiva parecem emanar da sua combinação.

A Síncrese; sincronismo e síntese, um fenómeno psicofisiológico espontâneo dependente das nossas ligações nervosas e musculares. Amplamente explorado nesta peça, de forma magistral nas constelações de pequenas quadrados cintilantes, consiste em percepcionar como um fenómeno único, a concomitância de um evento sonoro e de um evento visual pontuais, no instante em que ambos se produzem simultaneamente. O fenómeno, literalmente incontrolável, conduz ao estabelecimento instantâneo de uma estreita relação de interdependência entre sons e imagens, remetendo-os para uma origem comum, independentemente das suas origens, das suas formas e das suas fontes ou natureza, individuais e específicas. Formas geométricas puras, são constelações, correntes, erupções, matéria, movimento, velocidade, aceleração, sons orgânicos e sons sintéticos. Sons orgânicos e sons sintéticos são formas geométricas puras em movimento, velocidade, aceleração, constelações, correntes, erupções, vibração.

Michel Chion; audioimagem, audiovisão e visuaudição, síncrese, extensão e temporalização são ideias propostas pelo teórico, professor, compositor e realizador francês, Michel Chion, numa série de trabalhos que culminam na obra L'audio-vision (1990), na qual sugere de forma despretensiosa (nas palavras de Claudia Gorbman), novas formas de pensar acerca das estruturas e efeitos da experiência audiovisual.

A Extensão; a 'condição audiovisual', como resultado do combinatório entre sons e imagens, não pressupõe a posteriori a sua percepção diferenciada. Os sons e as imagens, quando combinados, passam a ser percepcionados como organização espacial e temporal, como matéria e sentido. A combinação audiovisual como 'causa', produz um determinado número de 'efeitos' que são gerados por sons e imagens num contexto audiovisual e portanto, efeitos de génese audiovisual ou audiovisógenos. A Extensão é um efeito audiovisógeno que se relaciona com a construção do espaço através da combinação de sons e imagens. Normalmente designa um espaço concreto a partir do qual a extensão opera, tendo um carácter limitativo quando se escutam unicamente os sons que se produzem nesse local específico, ou um carácter mais amplo à medida que se forem incluindo sons de espaços adjacentes, e mais alargado ainda mediante a inclusão de sons de espaços mais distantes ou mesmo longínquos. A extensão espacial do campo do leitor, a introdução do super-campo levado a cabo pela contextura sonora estrategicamente operada na complexidade espacial, afirma-se nesta peça como um elemento fundamental para a construção da sua experiência estética.

Temporalização e pontos Sincrónicos; a forma como se estabelecem os modelos de ligação som/imagem e a distribuição dos chamados pontos de sincronia constituem elementos importantes para a 'temporalização' das imagens e, obviamente, para sublinhar visualmente o carácter temporal dos sons. A activação de uma imagem depende da forma como o som introduz pontos de sincronia e da forma como é feita a gestão das expectativas dos espectadores em relação às situações onde a sincronia se verifica. Um ponto sincrónico é um momento 'saliente' numa sequência audiovisual, o momento durante o qual um evento sonoro e um evento visual se encontram em sincronia. Estes momentos de encontro relevante, entre som e imagem, caucionam a relativa autonomia do fluxo de imagens e sons, que correm paralelamente no tempo e espaço audiovisual. A gestão deste fluxo, dos seus encontros, desencontros e sobreposições, constroem o carácter pungente de 30x1, conjugando momentos de pura abstracção contemplativa com pontos de uma materialidade cortante que colocam o espectador em constante estado de afterimage. / João Cruz